Inteligência de Negócios

Como interpretar dados para gerar informações úteis para as empresas. É pra isso que serve a inteligência de negócios, muitas vezes também chamada de BI ou de business intelligence, o termo original em inglês. Este canal é para apresentar conteúdos relevantes para quem quer transformar sua empresa numa empresa orientada a dados (data driven business).
O que é e para que serve Big Data?

O que é e para que serve Big Data?

Big Data é um conjunto de dados maior e mais complexo, especialmente de novas fontes de dados, mas afinal para que serve Big Data?

Por Redação em 08/02/2021

Nós já falamos sobre o a definição de Big Data aqui no altavista.news, e certamente você deve ter acompanhado. Agora vamos falar um pouco sobre a sua funcionalidade. Afinal, para que serve o Big Data?

De acordo com a Oracle, para entender as suas funcionalidades, é preciso ter o conceito na ponta da língua.

A definição é: “Big data são dados com maior variedade que chegam em volumes crescentes e com velocidade cada vez maior. Isso é conhecido como os três Vs”.

Em suma, big data é um conjunto de dados maior e mais complexo alimentados por diversas fontes.

Um ser humano possivelmente não compreenderia um volume tão grande, ou levaria muito tempo para isso. Por isso, muitos profissionaus utulizam a inteligência artificial para analisar e quantificar essas informações. Inclusive, um software tradicional de processamento de dados também não conseguiria gerenciá-los.

Esses grandes volumes de dados podem ser essenciais para resolver problemas de negócios, por exemplo.

Entre os “Vs” do big data, os mais importantes são: volume, de volume de dados; velocidade, afinal a velocidade de rebecimento e administração dos dados faz toda a diferença; e por fim, variedade, pois refere-se aos vários tipos de dados disponíveis.

Com a evolução do big data, mais dois “Vs” surgiram: valor e veracidade.

Para que serve Big Data?

Nos dias de hoje, o big data se tornou essencial. As maiores empresas de tecnologia do mundo usam os megadados para analisar o comportamento do consumidor e, assim, oferecer as melhores soluções em forma de produtos.

Ao contrário do que era antigamente, os avanços tecnológicos permitiram a redução exponencial do custo de armazenamento e computação de dados. É o que faz a Oracle, que afirma inclusive que com um volume maior de big data, ele se torna mais barato e acessível.

Outra grande vantagem do uso de big data permite é que ele torna as decisões de negócios cada vez mais precisas.

“Encontrar valor em big data não é só uma questão de analisá-lo (o que é um outro benefício). É um processo de descoberta completo que exige analistas perspicazes, usuários de negócios e executivos que fazem as perguntas certas, reconhecem padrões, fazem suposições bem-informadas e preveem comportamentos”, completa a Oracle.

Foi por volta de 2005 que as pessoas começaram a perceber a quantidade de usuários de dados gerados pelo Facebook e YouTube, por exemplo. Além dos dados gerados por outros serviços on-line.

Também em 2005 surgiu o Hadoop, uma estrutura de código aberto que armazena e analisa grandes conjuntos de dados. O NoSQL também começou a ganhar popularidade nesse período.

O volume e a acessibilidade de dados

“O desenvolvimento de estruturas de código aberto, como o Hadoop, (e, mais recentemente, o Spark) foi essencial para o crescimento do big data, porque elas tornaram o trabalho com big data mais fácil e seu armazenamento mais barato”.

Segundo a Oracle, foi nos anos seguintes que o volume do big data disparou. Assim, os usuários ainda estão gerando grandes quantidades de dados, mas não são somente usuários humanos que estão fazendo isso.

“Com o advento da Internet das Coisas, mais objetos e dispositivos estão conectados à internet, reunindo dados sobre padrões de uso do cliente e desempenho do produto. O surgimento do machine learning produziu ainda mais dados”.

Para saber mais sobre o assunto e ler a matéria na íntegra, clique aqui.


Foto: Imgix.