Por Rodrigo Cavalo em 28/07/2021

Primeiramente, temos que saber realmente o que é o homeschooling para não cairmos nas pegadinhas dos que querem, educar menos e doutrinar mais.

Homeschooling, também conhecida como educação domiciliar é uma modalidade em que famílias escolhem ensinar seus filhos em casa, assumindo a responsabilidade da educação básica ou contratando professores particulares para o ensino.

Como sabemos os primeiros anos de vida são fundamentais para a formação do caráter e personalidade de uma pessoa.

Seja como for, o que é ensinado às crianças nesta idade tende a perdurar para sua vida.

Pensando nisso, o ensino domiciliar se torna importantíssimo, já que os próprios pais assumem as responsabilidades de transmitir o conhecimento de uma forma mais particularizado, desenvolvendo metodologias próprias para que cada filho consiga maximizar seu aprendizado.


O homeschooling é proibida no Brasil?

Outra dúvida bastante comum, muitas famílias já começaram a aderir essa prática e outras tem receio, devido a questão da legalidade.

O que podemos dizer é que a prática não consta na Constituição, porém também não é proibida.

O que acontece, por não haver uma lei federal regulamentando o assunto, há um vazio em que muitas interpretações podem ser discutidas.

Por esta razão, alguns estados e municípios já estão regulamentando o homeschooling em seu território.

Em nossa região, recentemente tivemos a cidade de Sorocaba (SP), que em homenagem à estudante sorocabana Elisa Flemer, adepta do ensino domiciliar, foi aprovada em 5º lugar no curso de Engenharia Civil da Universidade de São Paulo (USP).

No entanto, foi impedida pela Justiça de fazer sua matrícula, por ter concluído o Ensino Médio pela modalidade homeschooling.

Projeto de Lei


De acordo com o Projeto de Lei aprovado: “os pais ou responsáveis que optarem pelo ensino domiciliar devem declarar sua escolha ao órgão competente, em conformidade com os procedimentos previstos, e devem manter registro do planejamento e progresso do estudante, bem como apresentá-lo sempre que requerido pelo poder público.

O ensino domiciliar poderá ser ministrado pelos próprios pais ou por professores contratados, e o órgão responsável poderá disponibilizar modelos de conteúdo programático, bem como materiais de apoio” conforme matéria publicada em 25 de Junho (2021), pela Gazeta do Povo.

A maior crítica ao modelo, vem de pessoas que acham que essa modalidade leva crianças a não se socializar com outras.

Porém, não levam em conta que a escola não é o único ambiente de interação em que uma criança pode se socializar com outras, parques, praças, escolas de futebol, grupos de escoteiros, colegas da vizinhança e grupos de igreja, são exemplos de interação.

Tudo depende das particularidades da família e da própria criança.

Adepto ou não da homeschooling, acompanhe, participe, interaja. Cobre da escola e dos professores um melhor ensino, converse com seu filho o quanto é importante o aprendizado.

O futuro do seu filho depende de você!

Rodrigo Cavalo é bacharel em Direito e pós-graduado em Direito e Processo do trabalho. Jornalista. Crítico por natureza.


Foto: Compare Fibre.


Por Redação em 28/07/2021

Será que sua equipe está resolvendo problemas ou está identificando quais são eles?

Algumas equipes são realmente boas em detectar problemas em potencial. Mas, obviamente, os membros da equipe também devem fornecer feedback construtivo.

Como você, o gerente, pode ajudar a mudar a cultura de sua equipe de uma que está focada em identificar problemas para uma que os corrige?

E qual é a melhor maneira de recompensar os funcionários por pensarem criticamente ao mesmo tempo que fazem sugestões úteis?

Sua equipe está não resolvendo problemas? Primeiro passo: reconheça os problemas subjacentes

Quando confrontados com um novo desafio ou ideia, muitos de nós reagem “entrando nos detalhes e focando nos obstáculos.

Essa predisposição se complica quando trabalhamos com outras pessoas, há um elemento social que muitas vezes exacerba a inclinação de um grupo de pensar em termos negativos.

A hierarquia também desempenha um papel importante. Quanto menos "poder" você tem, mais você tende a pensar nos detalhes.

Reflita sobre seus objetivos

Você precisa ser claro sobre as mudanças que deseja de sua equipe.

Considere como sua equipe responde atualmente a novas idéias e propostas. Quais ou quem são as fontes de oposição? Onde sua equipe fica presa? Quais detalhes causam mais agita?

Em seguida, pense sobre o que você gostaria que sua equipe fizesse de forma diferente. Isso o ajudará a definir os comportamentos específicos que você procura.

Fale com o seu time

Em seguida, coverse com sua equipe sobre suas observações e o que você gostaria que fizessem de forma diferente.

Explique que você deseja que a equipe faça um trabalho melhor na “busca de rotas alternativas”, em vez de insistir nos detalhes de um problema.

Peça aos membros da equipe sua opinião sobre o que impede isso e, em seguida, ouça atentamente como eles respondem.

Você pode ouvir, por exemplo, que os membros da equipe acreditam que estão sob muita pressão de tempo ou talvez sintam que novas ideias não são bem-vindas.

Talvez a equipe se concentre nos problemas porque as pessoas se sentem sobrecarregadas.

Eles podem ficar ressentidos quando você pede que eles se concentrem em soluções quando já estão sobrecarregados.

Eles podem estar pensando: "Não consigo lidar com o status quo, como vou administrar amanhã.”

Se for esse o caso, você precisa pensar em como resolver as questões mais amplas, caso contrário, você não obterá adesão.

Pergunte o que você pode fazer para ajudar.

Para mais detalhes, clique aqui.


Foto: Olav Ahrens Røtne.

Por Redação em 27/07/2021

China é o país com maior emissão de dióxido de carbono (CO2), conforme dados de 2020.

Na verdade, as emissões anuais superam as de todas as nações desenvolvidas.

O país governando pelo Partido Comunista Chinês tem mantido essa posição no ranking já há alguns anos.

O gráfico abaixo mostra dados compilados pela International Energy Agency.

Estima-se que as emissões de CO2 sejam provenientes da combustão de carvão, gás natural, petróleo e outros combustíveis.

E aí estamos falando, inclusive, de resíduos industriais e resíduos urbanos não renováveis.

China, Estados Unidos e India lideram emissão de CO2, sendo que o primeiro supera os outros dois juntos

Em suma, Estados Unidos foi responsável por 15% das emissões e o Brasil foi responsável por 1%.

Ou seja, há um grande contraste com os 28% da China.

Gráfico do UCSUSA, Union of Concerned Scientists, com dados do Earth Systems Science Dara.

O quadro que emerge desses números é aquele em que - em geral - os países desenvolvidos e as principais nações de economia emergente lideram nas emissões totais de dióxido de carbono.

No entanto, as nações desenvolvidas normalmente têm altas emissões de dióxido de carbono per capita.

Por outro lado, alguns países em desenvolvimento lideram na taxa de crescimento das emissões de dióxido de carbono.

Essas contribuições desiguais para a crise climática estão no centro dos desafios que a comunidade mundial enfrenta para encontrar soluções.

Em outras palavras, soluções estas que sejam eficazes e equitativas para o aquecimento global.

Para mais detalhes, clique aqui.


Foto: reprodução/YouTube.