Por Redação em 26/09/2022

De acordo com a notícia divulgada pela CNN Brasil, dados do 16º anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública apontam que o país registrou cerca de 130 mortes por dia ao longo do último ano, baixando consideravelmente a taxa de homicídios.
De maneira geral, o Brasil registrou 47.503 homicídios ao longo do último ano.
Em outras palavras, esse número representa uma queda significativa na comparação com 2020. Além disso, é o menor registrado desde 2011.
A estabilização de conflitos entre facções criminosas está entre os motivos desta queda.
“As mortes caíram, o que é boa notícia”, disse ao Estadão o diretor-presidente do Fórum, o sociólogo Renato Sérgio de Lima.

Taxa de homicídios nas cidades

Entre as 30 cidades mais violentas do País, quase a metade está na Amazônia Legal e a maior parte delas está situada na região de fronteira, por exemplo.
“Existe um processo de migração da violência para a região Norte”, explicou Lima.
De acordo com os dados apresentados no anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, os registros da taxa de homicídios caíram em todas as regiões do País, exceto no Norte. Cerca de 6.291 assassinatos no último ano, ante 5.758 em 2020.
Um caso recente que aponta essa questão da violência na região foi do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips, mortos em Atalaia do Norte, na fronteira do Estado.

Região Norte

O trafico de drogas é responsável por muitas mortes no país.

De acordo com Lima, Tabatinga (AM) é considerada a segunda principal cidade de tráfico internacional de drogas e armas. Só perde para a rota de Ponta Porã (MS)”, destacou Lima.

A rota de Ponta Porã é controlada pelo PCC (Primeiro Comando da Capital). Por outro lado, a de Tabatinga é controlada pelo Comando Vermelho. Os grupos disputam entre si.

Para ler mais, clique aqui.

Por Redação em 09/08/2022

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro mitou mais uma vez. No último dia 08 de Agosto (2022), o Podcast Flow convidou o presidente, e Bolsonaro novamente mitou.

Ao todo foram mais de 5 horas de conversa. E como foi que Bolsonaro mitou e chegou até o Flow?

A resposta vem dele mesmo: “acima de tudo, sem partido, com partido pequeno, 7 segundos de tv, uma história de vida e as redes sociais”.

Antes de mais nada, os números de exibição do programa são bastante expressivos. A edição do Podcast Flow com o presidente Bolsonaro mitou.

Com números como 6 milhões de views, atingiu a marca de 570 mil pessoas ao mesmo tempo e mais de 700 mil likes mesmo antes de terminar o programa. E esse número já passa os 780 mil likes menos de 12 horas depois da transmissão oficial. 

De acordo com o apresentador do Flow, Igor, o objetivo do podcast Flow, quando surgiu, era se tornar relevante a ponto de entrevistar as pessoas mais relevantes do Brasil. 

“Então é muito importante pra mim, é um marco na minha história conversar com o presidente do Brasil. Isso me deixa bastante orgulhoso! O principal problema do Brasil hoje é a falta de diálogo, e eu tenho a missão de facilitar isso”. 

Segundo o próprio presidente falou, “qualquer presidente, é presidente dos brasileiros, e não somente de uma fatia deles.

A minha cadeira é um tremendo aprendizado, não é mais o que eu quero, mas sim o que a maioria da população quer, e eu estou aqui para isso”. 

Sistema confiável

Quando questionado sobre a baixa ocorrência de plebiscitos, tendo o último como o dar armas de fogo, por exemplo, Bolsonaro ressaltou a importância de se ter um sistema bacana e confiável.

Segundo ele, é preciso que se reflita a verdade e não seja passível de manipulação.

“Mesmo tendo o resultado de que dois terços da população eram a favor da comercialização de armas e munição, o governo em 2005 jogou forte na campanha de desarmamento, totalmente contrário ao resultado”.

À primeira vista, e vamos falar a verdade, Bolsonarou mitou mais uma vez apresentando esse dado. O governo liderado pelo PT - partido dos trabalhadores, mesmo tendo um resultado de plebiscito em mãos, agiu contra a vontade da população brasileira, por exemplo. 

Spoiler

Para não dar mais spoiler do que você vai ver na entrevista em que Bolsonaro mitou outra vez, no podcast Flow, clique aqui e assista na íntegra. 

Por Redação em 28/07/2022

Poderia ser apenas uma piada de mal gosto, mas longe disso. Até a CNN Brasil noticiou o fato de que o Lula está fazendo propaganda pró-Russia. "A Rússia deve LIDERAR a "Nova Ordem Mundial” e “ Zelensky é o culpado pela guerra assim como Putin”.
O tema ganhou corpo no Twitter, hoje, com várias postagens trazendo o assunto, entre eles, o perfil Família Direita Brasil, que apontou que Lula entrou para a lista das pessoas que promovem o que o governo da Ucrânia chamou de “propaganda russa”, na guerra entre os dois países.
Lula é o único brasileiro na lista do Centro de Combate à desinformação. A plataforma foi criada pelo Conselho de Segurança e Defesa Nacional da Ucrânia.

Lula pró-Russia: entenda o que ele falou

E o discurso de ódio de Lula e do PT não param por aí. Quando Lula declarou que o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, é tão culpado pela guerra quanto Vladimir Putin, a defesa do país tratou de o incluir na lista que já tem outros 78 nomes relacionados.
"Eu não conheço o presidente da Ucrânia. Agora, o comportamento dele é um comportamento um pouco esquisito, porque parece que ele faz parte de um espetáculo. Ou seja, ele aparece na televisão de manhã, de tarde, de noite, aparece no parlamento inglês, no parlamento alemão, no parlamento francês como se estivesse fazendo uma campanha. Era preciso que ele estivesse mais preocupado com a mesa de negociação". Lula ainda afirmou que Zelensky "quis a guerra".

E agora, como fica o “discurso do bem” pregado pelo PT? Onde está todo aquele papo de injustiça? Como fica o “povo da Ucrânia”?

Leia mais clicando aqui.


Foto: Reprodução/Twitter.