Brasil apoia projeto dos EUA para o 5G e rejeita Huawei

Brasil apoia projeto dos EUA para o 5G e rejeita Huawei

O Brasil não pretende adotar a 5G da empresa chinesa Huawei. Diversos países adotaram a mesma postura, como França e Reino Unido.

Por Redação em 01/12/2020

O Brasil apoia o projeto dos Estados Unidos para o 5G e se afasta da tecnologia para china. Recentemente, o presidente Jair Bolsonaro declarou apoio à aliança Clean Newtork, lançada pelo Governo de Donald Trump.

De acordo com postagem de Eduardo Bolsonaro no Twitter, a atitude do governo cria uma “aliança global para um 5G seguro, sem espionagem da China.”

“2) O programa ao qual o Brasil aderiu pretende proteger seus participantes de invasões e violações às informações particulares de cidadãos e empresas Isso ocorre com repúdio a entidades classificadas como agressivas e inimigas da liberdade, a exemplo do Partido Comunista da China”

“5) O Ministro da Economia Paulo Guedes também comentou o assunto, lembrando que países como EUA e Reino Unido barraram tecnologias de empresas como a Huawei: “Não queremos perder a revolução digital, mas há esses alertas geopolíticos. Estamos analisando e estudando essa questão”

Eduardo Bolsonaro, em postagens na rede social Twitter

De acordo com reportagem da Folha, Paulo Guedes foi o único a receber, no dia 20 de novembro, o vice-presidente global de Relações Governamentais da Huawei, Mark Xueman. Em outras palavras, ele foi sumariamente ignorado por todos os outros políticos e ministros.

Por que diversos países não optam pelo 5G da Huawei?

Vários países não optaram pela Huawei, como França, Alemanha, Itália e Reino Unido. Aliás, o Japão pode entrar para essa lista em breve.

Entre os motivos, está o fato de os EUA terem colocado a Huawei e 114 afiliadas em sua lista de bloqueio econômica, citando preocupações de segurança nacional.

Sobre o assunto, Joshua Hodges, diretor sênior interino para o Hemisfério Ocidental do Conselho Nacional de Segurança dos EUA, disse o seguinte: “Existem opções disponíveis e acho que todos concordam que temas como acesso à informação e liberdade de informação são extremamente importantes. E está claro que a China e a Huawei não apoiam isso. Essa é a preocupação dos EUA, como eles usam dados e como usam tecnologia para o benefício do estado, não para o benefício dos indivíduos que estão usando essa tecnologia”.

Obviamente, nem todos se sentem seguros se afastando da 5G chinesa. Nas respostas, podem ser vistos comentários como “claro, os EUA nunca roubariam informações de outros países”.

Entretanto, é compreensível o “rancor” de algumas pessoas em relação ao governo chinês dado que a internet no país é muito censurada e que o país já tomou diversas medidas controversas no que diz respeito a liberdade de expressão e liberdade religiosa. Por exemplo, o Partido Comunista Chinês já admitiu ter o que ele mesmo chama de “campos de reeducação contra o extremismo religioso” e chegou a proibir a venda de Bíblias online.

É possível que até que existam soluções tecnológicas descentralizadas, não entrelaçadas com um ou outro partido, a gente tenha que escolher entre o Big Uncle e o Big Brother.

*Beatriz Nunes é formada em Gestão de Políticas Públicas e administração pela Unicamp. Atua como professora, gestora e escritora.


Foto: James Yarema.

TAGS