Vídeos mostram clínica de aborto Planned Parenthood negociando órgãos

Vídeos mostram clínica de aborto Planned Parenthood negociando órgãos

Foram divulgados 4 vídeos em que diretores da Planned Parenthood negociam partes de bebês abortados e falam sobre o que fazem quando o bebê nasce antes do aborto ou sobrevive.

Por Redação em 03/10/2020

O Center for Medical Progress divulgou 4 vídeos nos quais diretores da Planned Parenthood, uma rede multinacional de clínicas abortistas, negociam órgãos e tecidos de bebês abortados.

Esse tipo de comércio, além de ter gerado comoção nas redes sociais, é ilegal de acordo com a constituição federal americana.

Savita Ginde, vice-presidente de uma das filiais da Planned Parenthood, e a diretora, Deborah Nucatola, aparecem nos vídeos. Ambas falam sobre como a empresa treina médicos para realizar o procedimento de forma a danificar o mínimo possível órgãos e tecidos.

Ginde comenta que: “Nós temos de realizar um certo treinamento com os fornecedores ou alguma coisa assim para garantir que eles não destruam” órgãos fetais durante abortos de segundo trimestre de gravidez.

Em seguida, ela fala sobre como usa eufemismos para evitar consequências jurídicas: “Classificar como ‘pesquisa’ nos dá certa vantagem sobre a coisa toda. Se houver alguém fazendo isso em um estado que seja realmente contra, é provável que seja apanhado”.

Além disso, a vice-presidente admite que a Planned Parenthood realiza coleta de órgãos em bebês paridos intactos e potencialmente vivos, o que viola o Ato de Proteção a Recém-Nascidos Vivos, que vigora desde 2002. De acordo com ela, “às vezes, se alguém dá a luz antes de chegarmos a realizar o procedimento, então estamos intactos”. Em outras palavras, se o bebê sobrevive ou nem passa pelo procedimento abortivo, é morto depois de seu nascimento.

Planned Parenthood tenta “abafar” caso de venda de órgãos e tecidos

A resposta da multinacional foi emitir uma carta pressionando os meios de comunicação a não publicar os vídeos.  A Justiça de Los Angeles proibiu o Centro para o Progresso Médico de divulgar qualquer conteúdo em que apareçam funcionários da StemExpress, companhia de tecido fetal e biotecnologia que atua como intermediária e adquire os órgãos e tecidos dos bebês abortados pela Planned Parenthood para vendê-los a “locais de pesquisa”.

Ben Caron pede fim do financiamento da empresa abortista

O médico e Secretário do departamento de habitação e desenvolvimento urbano dos Estados Unidos, Bem Carson, comentou o caso. “Se não é um ser humano, então por que estão colhendo órgãos dele?”, questionou ele.

Carson também encorajou os cidadãos a assinar a petição pelo fim do financiamento à Planned Parenthood. Somente na última década, a empresa recebeu 4,3 bilhões de dólares dos pagadores de impostos somente na última década.

Veja o vídeo na íntegra:

Quarto vídeo, onde Ginde comenta que se a pessoa dá a luz antes do procedimento abortivo, eles conseguem material intacto de um bebê vivo.

Para ler a matéria completa, acesse o site da Veja.


Foto: Aliyah Jamous.