Os esquerdistas e suas fantasias de guerreiro “pelo bem”

Os esquerdistas e suas fantasias de guerreiro “pelo bem”

Confira o texto publicado por Chad Felix Greene no Twitter e a solução que ele propõe: fazer esquerdistas provarem de seu próprio remédio?

Por Redação em 21/01/2021

Chad Felix Greene, escritor americano judeu e trans, postou um texto controverso no Twitter a respeito das tentativas das companhias do setor de tecnologia de calar ideais não esquerdistas. Confira a tradução de parte do texto abaixo.

Todas as pessoas da esquerda acreditam ter acabado de sobreviver ao paralelo da ascensão do nazismo na Alemanha e derrotaram-no. Impediram-no.

Acreditam que todos os republicanos são racistas brancos dos anos 50. Sentem-se habilitados a viver as suas fantasias de guerreiros de direitos civis. Eles se imaginam derrubando Jim Crow, a Confederação e o exército nazista de uma só vez e todas as autoridades poderosas estão do seu lado.

Eles estão alegres por estarmos vulneráveis e termos medo de que a nossa voz seja suprimida. Pensam que somos o povo das antigas fotografias dos anos 50 gritando furiosamente com as crianças negras na escola.

A única opção é um movimento constante pelos direitos civis para tornar ilegal, passo a passo, fazer isso conosco. Eles não vão parar voluntariamente. Eles pensam que são os heróis da história que lutam pelo bem da humanidade. Cada líder republicano restante DEVE começar AGORA. Ação no âmbito jurídico. Agora.

O que Chad propõe para lidar com censuras esquerdistas no setor de tecnologia?

O primeiro passo é acrescentar filiação política às leis anti-discriminação e crimes de ódio, porque a esquerda nos vê como alvo para violência física. Criar o quadro legal para forçar as empresas e corporações a defender as suas políticas de discriminação. Forçá-las a pensar duas vezes sobre elas.

Não precisamos do nível federal para fazer isso. Apenas precisamos de uma base sólida para forçar a sua mão legalmente. Isto não vai parar até que seja ilegal e forçado a parar. Você não vai conseguir envergonhá-los até agirem de forma ética ou justa. Qualquer republicano que se recuse a agir deve ser excluído.

Em algum ponto vamos ter que deixar de tratar a internet como uma moda e uma bugiganga que podemos simplesmente pôr de lado e seguir em frente. Temos de ter uma lista de direitos na Internet. Direitos legais que protejam todas as pessoas da censura e da proibição do que são ou do que acreditam. Este é um mundo novo.

“Sou um homem gay/trans e um judeu. Sei o que é a discriminação e a marginalização”

Mais uma vez. Compreendo os argumentos tradicionais sobre mercado livre, mas eles já não se aplicam. As empresas estão se comportando coletivamente como na era Jim Crow dos anos 50 e se unindo para discriminar um único grupo, a fim de se protegerem do ultraje popular.

Você está naquele grupo. Toda a sua vida online. A sua comunicação online. A sua moeda digital. O teu trabalho. O teu plano de saúde. O teu acesso ao mundo. Não é “apenas o Twitter”. Tudo isso pode ser tirado de você por nada mais do que uma fotografia ou uma associação. Não dá para competir.

Chegou a hora de lutar sem trégua no âmbito jurídico. Não gostamos de fazer isto. Mas é a nossa única opção para reconquistar a liberdade. Cada ato de racismo, discriminação sistêmica, discriminação religiosa – tudo isto deve ser tratado como uma pessoa LGBT processando alguém por causa de um bolo de casamento.

Sou um homem gay/trans e um judeu. Sei o que é a discriminação e a marginalização. Sei o que é ser odiado por nada mais do que ser quem se é. Chega. Isto é real.

Para ler o post completo, clique aqui.


Foto: Cas Holmes.