Federal de Pernambuco é contra a quarentena forçada

Federal de Pernambuco é contra a quarentena forçada

Pesquisadores da Universidade Federal do Pernambuco fazem estudo e constatam que quarentena não teve o efeito esperado no Brasil.

Por Redação em 23/03/2021

Pesquisadores da Universidade Federal de Pernambuco divulgaram um estudo “contra a quarentena”: em outras palavras, indicando que ela não é efetiva.

Bruno Campello de Souza e Fernando Menezes Campello de Souza, ambos da Universidade Federal de Pernambuco divulgaram o estudo O isolamento social realmente restringe as mortes de Covid-19? Provas diretas do Brasil de que pode fazer o oposto exato.

O estudo foi feito, em síntese, analisando o número de mortes por Covid-19 e a intensidade da quarentena aplicada no local.

O que foi observado na prática?

O grau de isolamento social em uma determinada data mostrou uma forte correlação positiva com as mortes de Covid-19. 39 dias depois (Spearman Rho = 0,85, p <0,001). O número de mortes em função do isolamento social e o número de dias decorridos desde 01/02/2020 indicou uma trajetória específica de mortes ao longo do tempo para todos os níveis de isolamento social, com mais isolamento sendo associado a um maior número de pico de mortes, uma aceleração da chegada desse pico e um maior número de mortes acumuladas. Uma comparação entre os óbitos diários da Covid-19 projetados a partir de dados anteriores à implementação das medidas restritivas no Brasil e o número de óbitos efetivamente observados mostrou que o aumento do isolamento social pode estar diretamente relacionado a 10,5% a mais de óbitos no período de observação.

Parte denominada “Resultados” do estudo

Outros pesquisadores contra a quarentena forçada

Os pesquisadores da Universidade Federal de Pernambuco não estão sozinhos.

A Declaração de Great Barrington, que foi redigida por cientistas das Universidades de Oxford e de Stanford, já foi assinada por 41.895 médicos e 764,147 cidadãos.

O ganhador do prêmio Nobel de química, Michael Levitt, acredita na volta à rotina com máscaras. Segundo ele, “lockdown é perda de tempo”.

O epidemologista Anders Tegnell foi um dos grandes responsáveis pela forma como a Suécia lidou com a Covid-19 e aposta na imunidade de rebanho ao invés da quarentena forçada.

A medRxi, uma instituição educacional e de pesquisa sem fins lucrativos fundada por Yale e pelo BMJ, publicou um estudo chamado “Não há evidências de que políticas de lockdown completo nos países da Europa Ocidental tenham impactado a pandemia de Covid-19“.

“Comparando a trajetória da epidemia antes e depois do bloqueio, não encontramos evidências de qualquer descontinuidade no crescimento taxa, tempo de duplicação e tendências de número de reprodução. Extrapolando as tendências da taxa de crescimento pré-bloqueio, nos fornecer estimativas do número de mortos na ausência de quaisquer políticas de bloqueio e mostrar que essas estratégias pode não ter salvado nenhuma vida na Europa Ocidental”.

Estudo da medRxi

Para mais detalhes, clique aqui.


Foto: Michael Longmire.